1. Close
    La LigaJornada 14
    vivê-la emEstadio Santiago Bernabéu
    Real MadridReal Madrid
    vs
    Real SociedadReal Sociedad
    Informação do jogo
    La Liga, Jornada 14
      Estadio Santiago Bernabéu
     11/23/2019
    21:00
    COMPRAR BILHETES

    partilharfacebooktwitter

  2. Close
    EuroligaJornada 8
    vivê-la emWiZink Center
    Real MadridReal Madrid
    vs
    BarçaBarça
    Informação do jogo
    Euroliga, Jornada 8
      WiZink Center
     11/14/2019
    21:00
    COMPRAR BILHETES

    partilharfacebooktwitter

EmiratesAdidas

Seleccione a plataforma preferida para comprar os seus bilhetes

Alfredo Di Stéfano

As oito Ligas de Di Stéfano

Ver galeria

NOTÍCIA | 07/07/2014

Tornou o Real Madrid na equipa mais laureada nacional e internacionalmente. 
Alfredo Di Stéfano estreou-se na Liga a 27 de Setembro de 1953, num Real Madrid-Racing de Santander (4-2). Naquele jogo assistiu-se também ao primeiro golo da Seta na Primeira Divisão. Desde então, o craque madridista completou 11 temporadas na equipa branca. Durante esses anos marcou presença em 282 jogos, marcou 216 golos, e foi o melhor marcador do campeonato em cinco ocasiões.

1953/54: Di Stéfano devolve a Liga ao Real Madrid 21 anos depois
O futebol espanhol descobriu naquela temporada um fenómeno. Não foi necessário período de adaptação para que Di Stéfano começasse a deslumbrar os adeptos. Marcou na estreia, e na sétima jornada realizou um jogo de antologia contra o Barcelona, no qual marcou dois golos. O madridista não parou de marcar golos (27 em 28 jogos), e conquistou o troféu Pichichi. No jogo que decidiu a Liga contra o Valência, Di Stéfano, marcou três golos na vitória por 4-0.

1954/55: Decisivo no jogo crucial contra o Atlético de Madrid
O Real Madrid revalidou a conquista da Liga, e Di Stéfano foi peça chave nessa conquista. Marcou 25 golos, que o converteram no melhor marcador da equipa. Os brancos foram líderes desde a jornada 10, e no dérbi madrileno que decidiu o título, Di Stéfano deu um recital de futebol, ao marcar dois golos que levaram a sua equipa à vitória por 2-4.

1956/57: Kopa, um novo companheiro de luxo
A parceria entre o jogador francês e A Seta Loira foi imparável para o resto das equipas da Primeira Liga, o que se revelou num novo título para o Real Madrid. Di Stéfano conquistou o seu terceiro Pichichi, desta vez com o impressionante registo de 31 golos em 30 jogos.

1957/58: Quarta Liga em cinco anos
Santamaría chegou nessa temporada para reforçar a defesa de uma equipa magnífica. Di Stéfano jogou todos os jogos, marcando 19 golos e sendo novamente o melhor marcador da equipa. O campeonato foi muito renhido com o Atlético de Madrid, e resolveu-se contra o Saragoça no Bernabéu (2-1). Com este sexto campeonato, o Madrid igualou o Barcelona como a equipa com mais títulos da Liga. 

1960/61: Éxito com muita antecedência 
Os brancos derrotaram os adversários com Di Stéfano a obter muitos golos, 21. Na jornada 22, A Seta deu um recital no estádio Santiago Bernabéu ao marcar quatro golos na vitória por 5-0 frente ao Granada. Foi tal a superioridade, que à jornada número 25, o Madrid proclamou-se campeão, com muita antecedência ao ganhar por 3-0 ao Maiorca no Bernabéu.

1961/62: Dobradinha de Liga e Taça de Espanha
O Madrid teve que lutar até às últimas jornadas com o Barcelona para conquistar o título. Como na época anterior, o jogo decisivo foi contra o Maiorca no Santiago Bernabéu. Di Stéfano, que nessa época marcou 11 golos, não falhou com o seu compromisso e marcou o primeiro. Finalmente, Del Sol conseguiu o 2-0 final. Nesse ano, Di Stéfano também conquistou a Taça de Espanha.

1962/63: Grande média de golos
Nessa temporada, Di Stéfano que participou em 13 jogos, conseguiu uma elevada média de golos, já que bateu por 12 vezes o guarda-redes adversário. O Madrid conqusitou o seu nono troféu da Liga.

1963/64: Adeus ao Bernabéu com a Liga nos braços 
Depois de mudar a história do Real Madrid durante 11 épocas, Di Stéfano deixou o clube, mas não sem antes conquistar mais um titulo da Liga. Nos últimos minutos do jogo decisivo contra o Sevilha, encarregou-se de assistir Puskas para o empate que assegurou a conquista do campeonato para os madridistas.  
Pesquisar