EmiratesAdidas

Sevilla - Real Madrid

2-1: O Real Madrid tropeça no estádio Sánchez Pizjuán na luta pela Liga

Ver galeria

CRÓNICA | 26/03/2014 | Alberto Navarro

Os brancos tiveram ocasiões para ganhar mas pagaram caro não acertar frente ao Sevilha.
  • Liga BBVA
  • Jornada 30
  • 26/03/2014
Sánchez Pizjuán
2
1
Vibrante começo de jogo no estádio Sánchez Pizjuán. Em menos de meia hora aconteceram dois golos, um para cada equipa, houve muitas outras ocasiões, a maioria para os visitantes. Bale, num remate de frente, protagonizou a primeira jogada de perigo aos 3’ e as duas posteriores foram de Benzema, que se encontrou com Beto (guarda-redes do Sevilha) aos 7´e aos 11’. Três minutos depois Cristiano Ronaldo abriu o marcador. O lançamento, marcando uma falta, ainda bateu no braço de Bacca e surpreendendo o guarda-redes da casa.

O Real Madrid não só dominava o jogo como também tinha a favor o marcador, mas a alegria durou pouco. O Sevilha aproveitou o contra-ataque finalizado por Bacca, igualando o encontro aos 19’. Os da casa acertaram no primeiro disparo. E, com este resultado, chegou-se ao intervalo, apesar dos brancos merecessem ir para o balneário com vantagem no quatro eletrónico, ainda mais depois do frente a frente de Bale com Beto aos 43' e do disparo ao poste de Cristiano Ronaldo na jogada posterior. O português converteu uma bola que parecia perdida num espetacular remate que superou o guarda-redes da equipa andaluza, atirou ao poste e ainda chegou à linha de golo mas Pareja não permitiu que entrasse na baliza.

O POSTE EVITOU QUE CRISTIANO RONALDO ASSINASSE DOIS GOLOS ANTES DO iNTERVALO.

Na segunda parte, os visitantes, foram assediados e vencidos. Se na primeira parte dissemos que mereciam mais, chegados a meio da segunda parte voltamos a repetir. Pouco lhe durava a bola aos donos da casa e os madridistas eram os únicos que criavam perigo. A má sorte dominou a noite dos pupilos de Ancelotti e, tal como ocorreu nos primeiros 45 minutos, o Sevilha marcava ao primeiro disparo à baliza. Bacca, aos 72’, foi de novo o autor do golo.

O Real Madrid continuou a lutar, até ao final, contra o Sevilha que se fechou no próprio campo, e de entregar o esférico ao rival, depois pagou caro a falta de pontaria, tropeçando de forma imerecida no Sánchez Pizjuán.

Buscar